Economia

Operadoras de turismo não atingem 25% da média de embarque neste ano

Publicado

em

Associação atribui baixo desempenho à pandemia de covid-19

Os efeitos da pandemia de covid-19 sobre as viagens no primeiro semestre de 2021 fizeram com que 75% das operadoras de turismo brasileiras realizassem menos de um quarto dos embarques do período pré-pandemia. O dado foi divulgado pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa) em seu boletim sobre o setor relativo ao mês de junho.

A pandemia de covid-19 teve seu período mais letal no Brasil no primeiro semestre deste ano, quando o número de vítimas da covid-19 saltou de 200 mil, em 7 de janeiro, para 518 mil, no fim de junho, cenário impulsionado pela disseminação da variante Gama no território nacional.

Os meses mais letais da pandemia foram março, abril e maio, e estados e municípios endureceram as medidas de restrição para tentar conter o avanço do vírus e reduzir o número de vítimas, informa o boletim divulgado ontem (20).

Apesar da crise sanitária e econômica, a associação avalia que o avanço da vacinação e as promoções anunciadas no período foram decisivos para a realização de vendas de viagens no período. A pesquisa mostra que, de janeiro a junho deste ano, 22% das operadoras tiveram faturamento maior ou igual ao período pré-pandemia.

Para o mês de junho, o estudo indica que 26% das operadoras não conseguiu realizar nenhum embarque, e apenas 25% atingiu ao menos a metade da média histórica de embarques para o mês.

A Braztoa informa que os destinos nacionais com maior procura são Porto de Galinhas, Gramado, Praia do Forte/ Salvador, Maceió, Porto Seguro e Rio de Janeiro.
Já no âmbito internacional, América Central e Caribe seguem no topo das vendas.

Segundo a associação de operadoras de turismo, roteiros de sol e praia, luxo e bem-estar estão entre os preferidos dos viajantes, que têm buscado “maior conexão com a natureza, comunidades locais e autoconhecimento”.

A expectativa de 30% das empresas do setor é que ao faturamento médio seja recuperado no primeiro semestre de 2022, enquanto 22% das operadoras estão mais otimistas e esperam voltar ao patamar pré-pandemia ainda no segundo semestre de 2021. Para 19%, a normalização do faturamento só deve ocorrer em 2023.

Edição: Maria Claudia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Parcelamento do IPVA cresce 94% após ampliação do número de parcelas

Publicados

em

Opção por parcelamento do IPVA atraiu mais proprietários de veículos em Goiás, em 2022

Quantidade de veículos que tiveram imposto parcelado saltou de 151 mil para 293 mil, de 2021 para 2022. Além da permissão para parcelar IPVA em 10 vezes, Calendário 2022 jogou pagamento à vista para segundo semestre

Os dados do primeiro semestre deste ano mostram que a alteração no Calendário 2022 do IPVA, que ampliou de 3 para 10 o número de parcelas, quase dobrou a procura pelo parcelamento do imposto. O número de veículos que tiveram o IPVA parcelado saltou de 151 mil no ano passado para 293 mil nesse ano, um crescimento de 94% na adesão ao maior prazo.

Em valores, esse crescimento foi de 115% comparando janeiro a junho de 2021 com o mesmo período de 2022. No primeiro semestre do ano passado, foram realizados cerca de R$ 100 milhões em parcelamento, já neste ano os parcelamentos de janeiro a junho subiram para R$ 215 milhões.

Os dados são da Gerência de IPVA da Secretaria da Economia e mostram que quase o dobro de proprietários de veículos aderiu ao prazo maior para quitar o IPVA. O pagamento em parcela única também foi alterado, passando para o segundo semestre a partir de setembro. E a forma de adesão abriu várias possibilidades para que o contribuinte possa escolher o que é melhor segundo a situação de cada um.

Em 2022 o calendário não foi fechado para nenhuma placa. O motorista pode pagar as parcelas a qualquer momento, pois o governo não cobra taxa por atraso. Ele só não pode pagar depois do vencimento da data final, de setembro a dezembro. No primeiro semestre do ano passado, o prazo para pagamento do imposto já teria sido realizado para os motoristas com placas 1, 2, 3 e 4.

O boleto para pagamento do IPVA é emitido no site do Detran (www.detran.go.gov.br) e o parcelamento é feito eletronicamente.

Desconto no IPVA
O governo estadual manteve o desconto de 5% a 10% no IPVA para os cidadãos que participam do Programa Nota Fiscal Goiana (NFG). Este ano, mais de 441 mil proprietários de veículos terão desconto no imposto.

Já a isenção do IPVA ocorre para veículos com mais de 15 anos, para pessoas com deficiência, para ônibus ou micro-ônibus de passageiro de turismo ou escolar e veículo novo no ano da sua aquisição, comprado em concessionária goiana.

Alíquotas
As alíquotas do IPVA variam. São de 1,25%, para ônibus, micro-ônibus, caminhão, veículos aéreos e aquáticos utilizados no transporte coletivo de passageiros e de carga. De 3%: motocicleta, ciclomotor, triciclo, motoneta e automóvel de passeio com potência até 100 cv (cavalos); 3,45% para veículos utilitários e 3,75% para veículo terrestre de passeio, veículo aéreo e aquático.

Foto: Cristiano Borges / Secretaria da Economia – Governo de Goiás

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CATEGORIAS

CATEGORIAS

CATEGORIAS

CATEGORIAS

MAIS LIDAS DA SEMANA