Economia

Operadoras de turismo não atingem 25% da média de embarque neste ano

Publicado

em

Associação atribui baixo desempenho à pandemia de covid-19

Os efeitos da pandemia de covid-19 sobre as viagens no primeiro semestre de 2021 fizeram com que 75% das operadoras de turismo brasileiras realizassem menos de um quarto dos embarques do período pré-pandemia. O dado foi divulgado pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa) em seu boletim sobre o setor relativo ao mês de junho.

A pandemia de covid-19 teve seu período mais letal no Brasil no primeiro semestre deste ano, quando o número de vítimas da covid-19 saltou de 200 mil, em 7 de janeiro, para 518 mil, no fim de junho, cenário impulsionado pela disseminação da variante Gama no território nacional.

Os meses mais letais da pandemia foram março, abril e maio, e estados e municípios endureceram as medidas de restrição para tentar conter o avanço do vírus e reduzir o número de vítimas, informa o boletim divulgado ontem (20).

Apesar da crise sanitária e econômica, a associação avalia que o avanço da vacinação e as promoções anunciadas no período foram decisivos para a realização de vendas de viagens no período. A pesquisa mostra que, de janeiro a junho deste ano, 22% das operadoras tiveram faturamento maior ou igual ao período pré-pandemia.

Para o mês de junho, o estudo indica que 26% das operadoras não conseguiu realizar nenhum embarque, e apenas 25% atingiu ao menos a metade da média histórica de embarques para o mês.

A Braztoa informa que os destinos nacionais com maior procura são Porto de Galinhas, Gramado, Praia do Forte/ Salvador, Maceió, Porto Seguro e Rio de Janeiro.
Já no âmbito internacional, América Central e Caribe seguem no topo das vendas.

Segundo a associação de operadoras de turismo, roteiros de sol e praia, luxo e bem-estar estão entre os preferidos dos viajantes, que têm buscado “maior conexão com a natureza, comunidades locais e autoconhecimento”.

A expectativa de 30% das empresas do setor é que ao faturamento médio seja recuperado no primeiro semestre de 2022, enquanto 22% das operadoras estão mais otimistas e esperam voltar ao patamar pré-pandemia ainda no segundo semestre de 2021. Para 19%, a normalização do faturamento só deve ocorrer em 2023.

Edição: Maria Claudia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Dólar tem maior queda diária desde março e fica em R$ 5,08

Publicados

em

Bolsa iniciou em forte alta, mas fechou praticamente estável

Num dia marcado por alívio no mercado externo, o dólar teve a maior queda diária desde março e voltou a ficar abaixo de R$ 5,10. A bolsa de valores iniciou em forte alta, mas fechou próxima da estabilidade com o noticiário político.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (14) vendido a R$ 5,084, com recuo de R$ 0,097 (-1,87%). Na mínima do dia, por volta das 11h20, a cotação chegou a R$ 5,06. A divisa acumula alta de 2,23% em julho e queda de 2,02% em 2021.
No mercado de ações, o dia foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 128.407 pontos, com leva alta de 0,19%. Por volta das 10h30, o indicador chegou a subir 1,1% e a aproximar-se dos 130 mil pontos. Essa foi a terceira alta seguida da bolsa, após uma sequência de oscilações nas últimas semanas.

No mercado externo, o pronunciamento do presidente do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano), Jerome Powell, acalmou o mercado internacional. Em discurso ao Congresso norte-americano, ele disse que os sinais de recuperação da maior economia do planeta estão conflitantes e indicou que o banco será cauteloso antes de começar a retirar os estímulos concedidos por causa da pandemia de covid-19.

Embora a inflação nos Estados Unidos tenha subido, Powell disse que a alta é temporária e está relacionada ao aumento de custos decorrente da restrição de matérias-primas provocada pela pandemia, não ao crescimento da demanda. Ele lembrou que o setor residencial, por exemplo, desacelerou recentemente.

Atualmente, os juros básicos nos Estados Unidos estão entre 0% e 0,25% ao ano, no menor nível da história. Taxas baixas por mais tempo favorecem a entrada de capital estrangeiro em países emergentes, como o Brasil.

No cenário interno, os investidores continuaram a repercutir as mudanças na proposta de reforma tributária pelo relator do texto na Câmara, deputado Celso Sabino (PSDB-BA). A internação do presidente Jair Bolsonaro diminuiu os ganhos na bolsa de valores, embora não tenha tido reflexos sobre o câmbio.

Edição: Valéria Aguiar

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CATEGORIAS

CATEGORIAS

CATEGORIAS

CATEGORIAS

MAIS LIDAS DA SEMANA