Plantão Policial

FRAUDES CARTÕES DE CRÉDITO: Polícia Cilvil de Goiás e Poder Judiciário de Caldas Novas envitam golpe de quase R$ 3 milhões

Publicado

em

Operação contra fraudes de cartão de crédito evita golpe de quase R$ 3 milhões

 

Policiais civis da Divisão de Polícia Civil do Oeste (DIVIPOE) participaram da Operação “CVV Checker”, que resultou no cumprimento de três mandados de busca e apreensão em endereços na cidade de Caraúbas (RN), visando a coleta de documentos relacionados a fraudes de cartão de crédito.

A ação, que foi realizada na sexta-feira (12) e divulgada apenas nessa terça-feira (16), aconteceu a partir de investigação policial realizada pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos do Estado de Goiás, com apoio da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI-MJSP), por meio do Laboratório de Operações Cibernéticas (CIBERLAB).

Durante a apuração, foi verificado que os criminosos empregavam “scripts” maliciosos para realizar a checagem dos CVVs (Códigos de Verificação e Validade) de milhares de cartões de crédito, em sites com vulnerabilidades. Após a validação dos códigos, os cartões eram utilizados em compras fraudulentas pela internet e efetuar compras em plataformas de comércio eletrônico ou ainda para prática de outras fraudes.

O início da investigação policial se deu em 14 de julho, quando foram detectadas 42.000 (quarenta e duas mil) tentativas de reservas em um site pertencente a uma rede hoteleira do estado de Goiás, sendo que a ação policial evitou o prejuízo aproximado de R$ 2,9 milhões à empresa vítima.

Após o Poder Judiciário de Caldas Novas conceder os pedidos de medidas cautelares, os policiais civis do RN cumpriram dois mandados de busca em endereços vinculados ao suspeito de ser o autor do crime ora investigado, localizados na cidade de Caraúbas-RN.

A atuação integrada das unidades de polícia judiciária desvendou a fraude investigada, constatando ainda que os dados de cartões de crédito eram obtidos de diversas formas, como venda de listas ilegais na “dark net”, “phishing” e comercialização de listas geradas por “softwares” para revelar o número de cartões de crédito válidos, contendo datas de vencimento, com a finalidade de identificar os CVVs (código de verificação e validade) corretos.

Caso sejam condenados pelos crimes de invasão de sistema informático para obtenção de informação sigilosa e estelionato por fraude eletrônica, os autores do crime poderão ser punidos com penas de até 13 anos de reclusão. A Polícia Civil solicita que a população envie informações, de forma anônima, por meio do Disque Denúncia 181.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Plantão Policial

Aeronave que fazia voos turísticos ilegais em Caldas Novas foge da Anac

Publicados

em

Segundo órgão, helicóptero realizava voos panorâmicos mesmo com suspensão administrativa devido a irregularidades; piloto fugiu de operação

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) realizou, no último final de semana (20 e 21/11), na principal cidade turística de Goiás, Caldas Novas, uma operação para tentar apreender administrativamente uma aeronave que realizava atividades irregulares no município. No entanto, o piloto fugiu da abordagem.

De acordo com o órgão, o helicóptero, que oferecia passeios panorâmicos a turistas e moradores da região, não pode realizar voos devido a uma suspensão administrativa por irregularidades. A aeronave foi suspensa pela Anac no último mês de outubro, por 180 dias, após  realizar voos sem autorização.

Mesmo com o helicóptero suspenso de atividades, a agência identificou operações dele em Caldas Novas. Isso indicou que a aeronave estaria desrespeitando a proibição. A Anac preparou uma operação de fiscalização, que teve apoio da Polícia Militar de Goiás (PMGO).

Abordagem

De acordo com a Anac, piloto e aeronave foram abordados na manhã de domingo (21/11), quando turistas estavam prestes a embarcar. Ao identificar a equipe da agência e os policiais militares, o piloto acionou a aeronave e fugiu do local. Segundo a agência, ele deve receber suspensão cautelar das habilitações, além de um novo processo contra a empresa registrada como operadora da aeronave. O descumprimento das regras poderá resultar em punições administrativas e de operação aos envolvidos.

Transporte irregular

Além da proibição de realizar voos com o helicóptero, a Anac identificou também que o piloto continuava comercializando voos panorâmicos, oferecendo o risco à segurança aérea e aos passageiros. De acordo com o fiscal da operação e servidor da Anac, Pedro Sarkis, “o transporte aéreo irregular é um risco para os contratantes e para os moradores da região do voo. As aeronaves que realizam operações sem cumprir regras devem ser evitadas e denunciadas”, explicou.

Alerta e riscos aos usuários

Popularmente conhecido como Taca, o transporte aéreo clandestino coloca em risco usuários e moradores, de acordo com a Anac. A agência alerta que os interessados em contratar um voo, seja ele panorâmico ou para transporte, devem buscar empresas e aeronaves credenciadas como táxi-aéreo e sob condições regulares. Para identificar as empresas aptas para o serviço, os interessados podem consultar a lista de empresas de táxi-aéreo disponíveis no site da Anac. Antes de contratar o serviço, o passageiro pode ainda consultar a regularidade da aeronave por meio do sistema RAB Digital ou pelo aplicativo Voe Seguro. Para isso, basta
consultar a matrícula da aeronave. A matrícula é um conjunto de cinco letras estampadas na asa ou na cauda da aeronave.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CATEGORIAS

CATEGORIAS

CATEGORIAS

CATEGORIAS

MAIS LIDAS DA SEMANA