Geral

EXERCÍCIO DA FUNÇÃO: Justiça nega queixa-crime de deputado contra vereador que o criticou

Publicados

em

Devido à imunidade parlamentar, a 3ª Vara Federal de Sorocaba (SP) rejeitou uma queixa-crime por injúria, calúnia e difamação oferecida pelo deputado federal Guiga Peixoto (PSL-SP) contra um vereador de Tatuí (SP).

Após uma deliberação na Câmara Municipal de Tatuí sobre uma moção de aplausos ao deputado — nascido na cidade —, o vereador Nei Loko teria tomado a palavra para criticar Peixoto. Segundo a queixa, o vereador não teria falado da moção em si, mas apenas da pessoa do deputado.

O juiz Arnaldo Dordetti Junior considerou que o simples fato de a manifestação ter sido proferida no recinto legislativo permitiria a presunção absoluta de exercício de função, o que configuraria imunidade.

“Por outro lado, mesmo que se entenda que não há uma presunção absoluta, no caso, nota-se o nexo de causalidade entre o exercício do mandato e a correlata manifestação, haja vista que naquele dia se votava moção de aplausos, sendo inerente a discussão em torno dos aspectos objetivos e subjetivos da proposta, o que por si só neutraliza qualquer imersão, a partir de então, deste Juízo sobre a natureza caluniosa, difamatória e injuriosa do conteúdo da manifestação”, apontou.

O magistrado ainda assinalou que o próprio vereador teria iniciado a manifestação falando de forma objetiva o que pensava e como agia quanto ao procedimento. “Cada parlamentar pode apontar críticas aos atos realizados, até mesmo abstratamente, pela própria casa”, lembrou.

Clique aqui para ler a decisão
5006133-53.2020.4.03.6110

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Presidência do TJGO autoriza realização de concurso para o cargo de analista judiciário

Publicados

em

Por

O presidente do Tribunal de Justiça de Goiás, desembargador Carlos Alberto França, determinou a realização de concurso público para o provimento de cargos vagos de analista judiciário no 1º grau de jurisdição. Os cargos vagos decorreram de exonerações e de aposentadorias nos últimos anos.

Para realização do certame, em caráter de urgência, Carlos França levou em consideração a premente necessidade da contratação de servidores para a reposição da força de trabalho, propiciando ao Poder Judiciário prestar um bom serviço à sociedade goiana.

O concurso visa o preenchimento de 99 vagas desprovidas do cargo de analista judiciário e para as vagas que surgirem durante o prazo de validade do certame. Foi determinada a remessa dos autos do procedimento administrativo à Comissão de Seleção e Treinamento do Tribunal, para adoção das providências necessárias à realização do concurso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CATEGORIAS

CATEGORIAS

CATEGORIAS

CATEGORIAS

MAIS LIDAS DA SEMANA